Destaque

Tudo Conectado

Condomínios ganham com processo crescente de informatização

Foi o tempo em que novidades tecnológicas ficavam restritas apenas a condomínios comerciais de grande porte. É cada dia maior o número de administrações que investem em ferramentas do universo digital para garantir eficiência, agilidade e segurança. Há soluções em automação predial para todos os tipos de demandas, desde as mais simples até as mais completas e modernas. Apesar de o termo ser de difícil aplicação, já que as inovações se sucedem rapidamente.

O que pode ser feito

Com um projeto de automação, o condomínio pode ter o controle centralizado da iluminação das áreas comuns, do monitoramento de bombas de água, elevadores, irrigação de jardins, detectores de vazamento de água e gás, de fumaça, alagamentos nas áreas comuns e nas unidades, dentre outros. Os benefícios são muitos. Além da eficiência maior, há os ganhos efetivos com a redução de custos operacionais, tanto com o controle e otimização dos consumos, quanto pelo menor desgaste dos equipamentos, o que diminui despesas com manutenção e aumenta a sua vida útil.

Deise Mury, especialista em tecnologia de segurança e automação, diz que tem trabalhado para condomínios, especialmente, com controle de acesso de pessoas e veículos com registro de visitantes, CFTV, principalmente da linha HD, alarme intrusão monitorado, alarme para prevenção de incêndio e software para gestão administrativa de equipamentos diversos. O que há de mais moderno e funcional mais se parece com coisas de filme de ficção. São sistemas de controle de acesso, com leitura de veias e face, software de monitoramento de imagem inteligentes com localizador facial e de objetos, e centrais de alarme para prevenção de incêndio e pânico Wi-Fi.

O que já é de uso corrente, mas que, recentemente, passou a contar com ferramentas melhores, em qualidade, economia e resultados, são as câmeras HDCVI. “A questão custo beneficio das câmeras HD superou as câmeras IP, em muito. O formato das câmeras melhorou e houve avanço na tecnologia com acréscimo no número de linhas de resolução. Este equipamento não necessita de cabeamento refinado e de alto custo, e ainda consegue uma quantidade de armazenamento de imagens melhor por conta da tecnologia de compressão H264. E já estão circulando equipamentos H265 no mercado nacional, tornando possível maior armazenamento no mesmo disco rígido tradicional”, adianta Deise.

Soluções para diferentes condomínios

A especialista sugere uma lista de soluções já viáveis que garantem um upgrade nos condomínios mais atuais e uma lista de soluções modernas, porém básicas, para condomínios de menor porte. Para os de médio e grande porte, ela elege o SCA (sistema de controle de acesso) pessoas e carros, com gerenciamento de vagas, o software de gerenciamento administrativo para bombas d’água, luz, gás, ar-condicionado entre outros, conectados a todos os equipamentos, o softwares de CFTV com reconhecimento facial e busca de objetos abandonados, o alarme para prevenção de incêndio e ou gás, tanto em áreas comuns, como nas unidades principalmente e os botões de pânico nas unidades, principalmente Wi-Fi.

Já para os de pequeno porte, seleciona o receptor inteligente para automatização de portões (anti-clonagem), o alarme perimetral, o alarme para prevenção de incêndio e ou gás em áreas comuns, a CFTV nos acessos principais e pontos estratégicos e os botões de pânico nas unidades, principalmente Wi-Fi. “Este último, especialmente, recomendo para todos, pois a segurança é um dos itens mais importante para as pessoas e é um sistema simples, funcional, muito eficiente”, afirma.

Condôminos aprovam adoção

Práticos e úteis, os recursos da vida digital imprimem dinamismo e transparência nas relações entre administração, moradores e proprietários de imóveis, que não utilizam regularmente suas unidades. De qualquer lugar é possível receber informações, responder a consultas, esclarecer dúvidas e ter acesso às atas, boletos de pagamento, entre outros. São soluções que trazem comodidade e, por isso, têm ótima aceitação.

Foi assim com os moradores do Condomínio Botafogo Easy Way, em Botafogo. O prédio que foi entregue sem sequer um interfone, hoje tem até acesso digital, e a entrada e saída de veículos é controlada por chip. “Era uma coisa que incomodava, o momento da entrada de visitantes e prestadores de serviço, junto com o morador. Mas não tínhamos espaço para fazer a divisão. Fizemos então uma servidão na lateral e cadastramos todo mundo, até familiares e empregadas das unidades e colocamos um identificador de digital”, conta Célia Regina Gomes, que há seis anos é síndica do edifício.

A iniciativa foi aprovada em assembleia e foi feito um caixa somente para isso. “Foi um processo tranquilo, pois ganhamos mais segurança e praticidade, com um acesso mais rápido. Antes era preciso tirar um cartão da bolsa, e sabe como é bolsa de mulher?”, brinca, dizendo que com o acesso digital, a entrada ficou até mais convidativa, mais elegante. “Antes, tínhamos apenas a grade. Com o envidraçamento e a máquina para digital ficou mais bonito”, afirma.

Os investimentos da administração se concentraram em acesso digital e em acesso por TAG com controle de quantidade de vagas. A economia ficou por conta da redução da folha. Com os equipamentos, foi possível ficar sem dois porteiros noturnos. “E ficamos com uma segurança melhor. De madrugada, a pessoa não precisa parar, buzinar, baixar o vidro. O TAG funciona por proximidade e logo que o carro se aproxima o portão abre. Criamos ainda um portão estepe que só funciona se o outro quebrar”, detalha.

Um gasto total de 50 a 60 mil, mas a síndica diz que só com a redução da folha, que representou 10 mil por mês, ele se pagará. “Sem contar com o ganho em segurança, que não é mensurável”, acrescenta Célia, que é adepta do uso da tecnologia para garantir mais praticidade, com contas mais enxutas. Na administração, ela adotou o uso de smartphones e wi-fi para a gerência e a supervisão. Assim, a comunicação entre eles é instantânea e de baixo custo. “Utilizamos imagens, nos falamos, trocamos informação, discutimos tudo, mesmo que esteja em viagem, e as decisões ficaram mais rápidas e fáceis”, acrescenta.

Com os condôminos, o contato é via e-mail, para garantir o registro das trocas que, dependendo da demanda, ainda são arquivadas na pasta do morador. “A comunicação também é feita através de nossa página no site da administradora, onde estão disponíveis muitos serviços como comunicação de obra e agendamento de salão de festa, por exemplo”, diz. O próximo passo da administração será garantir que os condôminos tenham, através do celular, imagens do prédio. “A tecnologia das imagens está aí para nos ajudar”, completa, acrescentando que o sistema de câmeras já permitiu resolver casos de furto e até fazer com que a empresa de conservação arcasse com os danos causados por um incêndio em um dos elevadores. “Com as imagens, ficou claro que foi uma falha do pessoal técnico da empresa”. No momento, o condomínio está trocando os equipamentos para adotar as câmeras com infravermelho. “Com elas, ganharemos ainda mais qualidade e segurança”, completa.

Quem também já se valeu do uso da tecnologia para resolver questões de segurança foi o especialista David Gurevitz, que é síndico do Edifício Aquitânia, no Centro. Ele instalou câmeras em lugares pouco comuns, como na parte de baixo da porta, com a intenção de registrar e permitir a identificação de quem entra escondendo o rosto. Devido a estes posicionamentos e a alta qualidade das imagens registradas, o caso de um pedestre que teve um ferimento na cabeça, causado por uma pedra lançada pelo pneu do ônibus que passava, foi esclarecido. O transeunte alegava que a pedra tinha vindo do alto, atirada do edifício. “Pegamos o horário, transformando o vídeo em fotos e pudemos entender o que aconteceu e comprovar que não tivemos culpa”, conta.

Para Gurevitz, a automação predial traz ganhos para além da segurança e da redução de custos. “São ofertas de serviço com mais qualidade. Isto é o que todo mundo espera hoje em dia. Desde o acesso biométrico aos softwares de controle de consumo de água e luminosidade, aos acionamentos automatizados. O síndico consegue imprimir mais confiabilidade, com menor trabalho, à sua gestão e ao cotidiano do condomínio”, afirma.

Ele destaca uma interface com o celular que recebe a ligação, joga para o computador, e comanda a abertura de porta, por exemplo, e os sensores interligados que cortam a energia automaticamente em caso de incêndio, incluindo o acionamento de um alarme para alertar quem está no prédio. “A tecnologia está aí para dar inteligência. As possibilidades já estão disponíveis e podem ser adotadas parcialmente. É só uma questão de especificação. Exige uma empresa especializada em automação para integrar os sistemas e, assim, ter um condomínio do futuro hoje mesmo”, completa.

Tudo de maneira fácil, rápida e confiável

Quem é cliente Lowndes conhece o CONDOnet e os serviços que disponibiliza tanto para o síndico, quanto para o condômino. Acessando a página do condomínio no site da empresa e logando-se com uma senha individual, tem-se acesso à vida condominial, otimizando tempo, gerando controles, fluxo e acesso remoto a informações, promovendo segurança e confiabilidade à administração. O síndico tem ainda todas as contas em formato digital, com acesso a qualquer momento. O novo sistema é como ter a pasta de prestação de contas sendo feita dia a dia em suas mãos. Isto com a segurança de que cada uma delas passou pelo crivo de um departamento de contas a pagar e a receber profissional e experiente. É a administradora colaborando para que os condomínios tenham cada dia mais agilidade, com comodidade e segurança nas suas gestões.